Página Inicial

Presidente Bartolomeu Braz defende engajamento político durante sua posse na Aprosoja Brasil

Publicado em 11 de maio de 2018

IMG-20180508-WA0054O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Goiás (Aprosoja-GO), Bartolomeu Braz Pereira, assumiu a Presidência da Aprosoja Brasil no dia 8 de maio, em Brasília. Ele vai dirigir a maior entidade da sojicultura nacional – que tem afiliadas em 16 Estados e compreende quase a totalidade da produção de soja brasileira – pelos próximos dois anos, em substituição a Marcos da Rosa, produtor no Mato Grosso.

Em cerimônia bastante prestigiada por parlamentares da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), representantes de entidades do setor, e produtores, Bartolomeu falou sobre os muitos desafios em que a Aprosoja Brasil está atuando.

“Precisamos segurar a Lei Kandir e impedir as taxações das exportações de grãos pelos Estados. Temos que barrar a moratória da Soja, que estão tentando trazer para o Cerrado; Vamos continuar cobrando e participando da construção de uma política agrícola bem definida, alicerçada no seguro rural, e apoiando as atualizações nas leis de Proteção de Cultivares e de Defensivos”, disse, lembrando que “enquanto eles [ONGs] defendem ideologia, nós defendemos a produção”.

Bartolomeu ressaltou ainda a urgência de ampliação dos modais logísticos, principalmente, os alternativas às rodovias (hidrovias e ferrovias), como forma de melhorar a competitividade do agro brasileiro frente aos demais países produtores. Ele citou a atuação da Aprosoja Brasil sobre questões ambientais e também jurídicas, como as fusões entre multinacionais, patentes e royalties indevidos. E frisou o desafio de comunicar melhor o campo para a sociedade.

Engajamento político

O novo presidente da Aprosoja Brasil destacou em seu discurso a importância de os produtores que estão nas bases se engajaram na política, especialmente neste ano eleitoral. “Temos que devolver [reeleger] nossos atuais parlamentares à FPA e trazer outras pessoas que nos representem e que nos vão dar a oportunidade de continuar produzindo.”

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) relembrou algumas conquistas do setor, como o direito de propriedade previsto na Constituição, a securitização, o Código Florestal, e afirmou que “desafios novos virão todos os dias”. “Mas hoje nós temos uma estrutura montada no Congresso Nacional para enfrentar os problemas. Nossas equipes estão muito bem qualificadas; eles [adversários ideológicos] não conseguem debater com a gente porque eles não têm conteúdo, não têm preparo. Com nosso potencial, nós vamos superar essas etapas cada dia mais.”

O ex-presidente da Aprosoja Brasil, Marcos da Rosa, abordou a necessidade de fortalecimento das entidades e a participação mais ativa dos produtores. “Nosso lugar não é aqui em Brasília, onde temos nossos parlamentares para nos defenderem. Nosso lugar é produzindo da porteira pra dentro. Mas a mudança do Brasil vem com o sacrifício de cada cidadão e se nós não fizermos crescer a coletividade, vamos continuar sofrendo”.

Entre as diversas autoridades presentes, discursaram na cerimônia o ministro das Cidades Alexandre Baldy, representando a Presidência da República; a presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputada Tereza Cristina (DEM-MS); e o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), José Mário Schreiner.

Em comum, frisaram que a união das entidades do setor é primordial para enfrentar os desafios da agropecuária e, mais ainda, que somente a união dos brasileiros vai mudar o Brasil para melhor.

* Texto: Laura de Paula/Aprosoja-GO
* Foto: Fredox Carvalho/Faeg